terça-feira, 30 de julho de 2013

Comitê Itapocu entrega certificados aos participantes do curso de educadores ambientais

29/07/2013.


            O Comitê Itapocu juntamente com a AMVALI realizaram a entrega dos certificados aos participantes do curso "Formação de Educadores Ambientais para Gestão da Bacia Hidrográfica do Rio Itapocu" na tarde de ontem (29). A cerimônia contou com a presença do Presidente da AMVALI - Prefeito Dieter Janssen, do Promotor de Justiça - Dr. Alexandre Schmitt dos Santos, do Coordenador Regional de Defesa Civil do Estado de Santa Catarina - Antonio Edival Pereira, da consultora do Comitê Itapocu Anja Meder Steinbach e do secretário executivo do comitê - Alessandro Hansen Vargas.


            O curso formou 52 educadores ambientais, incluindo Elton Cunha (Defesa Civil) e Malu da FUNDEMA, ambos de Barra Velha e aconteceu nos meses de maio e junho, todas as sextas-feiras, das 8 às 17 horas, na sede da AMVALI, totalizando 40 horas/aula. Promovido pelo Comitê Itapocu e pela AMVALI, o curso contou como apoio do Governo do Estado através da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável - SDS.
FOTO: Bióloga Anja, Presidente Amvali e Prefeito de Jaraguá do Sul Dieter , Promotor de Justiça - Dr. Alexandre, Elton Cunha (Defesa Civil de Barra Velha) e secretário executivo do comitê - Alessandro.


            A capacitação discutiu várias temáticas como: saneamento ambiental; monitoramento da bacia hidrográfica; prevenção de cheias e desastres naturais; remanescentes de fauna na bacia e unidades de conservação; visões e valores em educação ambiental; ferramentas metodológicas para práticas em educação ambiental; a influência dos recursos hídricos no modelo de ocupação e desenvolvimento da socioeconomia no Vale do Itapocu; bacia hidrográfica e ciclo hidrológico; legislação de recursos hídricos; comitês de bacia hidrográfica; e ferramentas de gestão.
Bacia Hidrográfica do Rio Itapocu

            Outras temáticas foram: formação geológica, processos geomorfológicos e formação da paisagem; caracterização física e hidrológica da Bacia do Itapocu; legislação ambiental - comentários ao Novo Código Florestal Brasileiro; análise da vegetação (estrutura e estádio sucessional); e pressão antrópica no processo de urbanização. Foi realizada também uma visita a bacia hidrográfica do Rio Molha; elaborados Projetos de Educação Ambiental e produzida maquetes do modelo tridimensional.

            Durante a cerimônia, a consultora do Comitê Itapocu, Anja Meder Steinbach disse que "o curso foi mais um tijolo na construção de uma política de proteção da água na bacia do Itapocu". Na oportunidade também foram entregues aos participantes do curso as maquetes produzidas e bolsas ecológicas, canecas e camisetas do Comitê Itapocu.



            A seguir foi realizada e leitura e aprovação de uma carta aberta escrita pelos participantes do curso que será encaminhada aos prefeitos dos 13 municípios pertencentes da Bacia Hidrográfica do Rio Itapocu.

            A carta aberta apresenta diversas ações/medidas que podem ser tomadas para viabilizar a boa gestão da Bacia Hidrográfica do Rio Itapocu proporcionando melhor taxa de infiltração da água no solo e menor velocidade do escoamento superficial da água. O comitê também solicita aos prefeitos dos 13 municípios da bacia e, em especial, a AMVALI, que promovam, na medida do possível, a ampla discussão e adoção das sugestões elencadas na carta.

            Solicitam ainda, que a AMVALI seja estimulada a continuar o trabalho de apoio ao Comitê Itapocu, dando o costumeiro suporte aos seus trabalhos e ampliando sua ação na área do saneamento ambiental e da gestão dos recursos hídricos da bacia do Rio Itapocu, seja através da oferta de novas turmas para Educadores Ambientais, seja na execução de eventos e de planejamentos voltados a área ambiental.


Fonte: www.amvali.org.br

Para caridade, Toyota não doa dinheiro, mas eficiência

O Banco de Alimentos de Nova York é a maior caridade anti-fome dos Estados Unidos, alimentando cerca de 1,5 milhões de pessoas por ano. Ele depende da generosidade de empresas, incluindo Alvo, Bank of America, Delta Air Lines e o New York Yankees. A Toyota também foi uma doadora. Mas ela teve uma idéia diferente.

Em vez de um cheque, a Toyota ofereceu o kaizen.


Uma palavra japonesa que significa “melhoria contínua”, kaizen é um ingrediente chave no modelo de negócios da Toyota e o segredo para o seu sucesso. É um esforço para otimizar o fluxo e a qualidade constantemente, procurando maneiras de agilizar e melhorar o desempenho. Em termos mais simples, trata-se de pensar fora do quadrado e fazer pequenas mudanças para gerar grandes resultados.



Em uma cozinha onde se faz sopa no Harlem, bairro pobre de NY, os engenheiros da Toyota reduziram o tempo de espera para um jantar de 90 para 18 minutos. Em uma despensa de alimentos em Staten Island, eles reduziram o tempo as pessoas passaram enchendo as caixas de 11 para 6 minutos. E em um armazém no Brooklyn, onde os voluntários montam caixas com suprimentos para as vítimas do furacão Sandy, uma dose de kaizen cortou o tempo que levavam para embalar uma caixa de 3 minutos para apenas 11 segundos.

A Toyota “revolucionou a forma de servir a nossa comunidade”, disse Margarette Purvis, o executiva-chefe e presidente do Banco de Alimentos.

Mas a oferta inicial da Toyota para a caridade em 2011 foi recebida com apreensão.

“Eles fazem carros, eu cuido de uma cozinha”, disse Daryl Foriest, diretor de distribuição na despensa do Banco de Alimentos e sopa no Harlem. “Isso não vai funcionar.”

Quando a Toyota insistiu que sua contribuição seria essa, ela apresentou o primeiro desafio para a montadora: “A fila de pessoas esperando para comer é muito longa”, disse Foriest. “Precisamos diminuir essa fila de espera.”

Os engenheiros da Toyota começaram a trabalhar. A cozinha, que pode acomodar 50 pessoas, normalmente abre para o jantar às 4 da tarde, e quando todas as cadeiras estavam ocupadas, uma fila era formada do lado de fora. O gerente do Banco de Alimentos então esperava pelo espaço suficiente para abrir as portas e deixar entrar 10 pessoas por vez. E o tempo de espera era de até uma hora e meia.

A Toyota fez três alterações. Eliminaram o sistema “10 por vez”, permitindo que as pessoas entrassem uma a uma, tão logo um lugar estivesse vago. Em seguida, criaram uma área de espera no interior, onde as pessoas faziam fila perto de onde iriam pegar as bandejas de comida. Finalmente, um funcionário foi designado com o único dever de identificar lugares vazios para que eles pudessem ser preenchidos rapidamente. O tempo médio de espera caiu para 18 minutos e mais pessoas foram alimentadas.



A parceria inusitada entre a Toyota e o Banco de Alimentos, algo como um intercâmbio cultural, destaca uma forma diferente de como empresas com fins lucrativos podem ajudar suas comunidades, segundo especialistas.

“É uma forma de filantropia corporativa, mas em vez de dar dinheiro, eles estão compartilhando conhecimento”, disse David J. Vogel, professor e especialista em responsabilidade social corporativa na Haas School of Business da Universidade da Califórnia, em Berkeley. “É muito novo.”

E muitas organizações sem fins lucrativos estão tendo que tomar decisões de negócios mais inteligentes. “As organizações sem fins lucrativos estão aprendendo com o que acontece no mundo com fins lucrativos, porque eles vão funcionar melhor”, disse Ronald P. Hill, professor de marketing e direito empresarial na Universidade de Villanova.

“Existem várias oportunidades em uma variedade de indústrias para melhorar e tornar mais competitiva através da aplicação do sistema de produção da Toyota”, disse Jaime Bonini, gerente-geral do centro de apoio.

As lições fornecidas pela Toyota vêm em um momento crítico para o Banco de Alimentos, uma vez que ele enfrenta uma demanda crescente em uma economia fraca.

“De bancos a restaurantes passando por companhias aéreas, as pessoas dão dinheiro e tempo e estamos agradecidos”, disse Purvis. “Mas, é muito raro que as empresas venham e digam, ‘este é o modelo de negócio que fez a nossa empresa grande e vamos compartilhá-la com uma instituição de caridade com a esperança de que ele irá proporcionar benefícios para as pessoas mais carentes em sua cidade. ‘ ”

“Eu nunca pensei que o que precisávamos era um bando de engenheiros”, disse Purvis. “No nosso mundo, os alimentos são o rei, mas não sabia que a rainha seria kaizen”.


Fonte: NY Times / Escrito Por : Leandro Callegari Coelho Leandro C. Coelho, Ph.D., é Professor de Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos na Université Laval, Québec, Canadá. / <http://www.logisticadescomplicada.com/para-caridade-toyota-nao-doa-dinheiro-mas-eficiencia/>




segunda-feira, 29 de julho de 2013

Em situações de risco, nosso corpo ganha superpoderes

Subir escadas quando o elevador não funciona costuma ser o auge do esforço de muita gente. Mas você também pode ter superpoderes em uma situação de vida ou morte.

por Giselle Hirata, Alessandra Kalko, Éber Evangelista, Luiz Iria


Força e resistência

Mesmo que por um curto período, nossos músculos são capazes de se contrair todos de uma vez, gerando uma força incomum. Com endorfina, é possível não sentir dor, e os ossos modificam sua estrutura para suportar grandes pressões.

Músculos

1. OXIGENADO
Com a adrenalina no corpo, o sangue circula com mais facilidade e intensidade, levando mais oxigênio aos músculos, que passam a trabalhar mais contraídos.

2. PODER DA MENTE
Por isso, quando o sistema nervoso envia os impulsos elétricos para estimular os músculos, as fibras de contração rápida são ativadas todas simultaneamente.

3. RICOS EM FIBRAS
Tudo ocorre a um nível microscópico: cada músculo tem milhares de fibras, que contêm centenas de miofibras.

4. CONTRAIR E COÇAR
Compostas de proteínas, as miofibras são formadas por filamentos menores ainda. Esse conjunto provoca a contração muscular depois de receber o impulso elétrico.

5. ENCAIXE PODEROSO
Os filamentos são dispostos em fileiras. Na contração muscular, um desliza sobre o outro e eles se encaixam - é dessa sincronia que vem a explosão de força.


Ossos

1. DURO DE ROER
O tecido compacto que reveste o osso funciona como uma capa rígida, composta de cálcio e fósforo. Nervos e vasos saguíneos passam por orifícios em sua superfície.

2. FESTA DO INTERIOR
Por dentro, os ossos têm uma parte mole e viva, composta de fibras de colágeno.

3. MANIA MOLE
Graças ao interior maleável, o osso é capaz de mudar e se rearranjar para aliviar grandes tensões.


Dor

1. O CAMINHO DA DOR
No segundo em que nos ferimos, o estímulo da dor chega até o cérebro.

2. ALÍVIO IMEDIATO
Quando o cérebro entende que a dor é muito grande, ele nos poupa da notícia ruim: envia sinais para a hipófise, que libera no sangue a endorfina. Esse analgésico natural obstrui a comunicação entre os nervos, impedindo que os estímulos de dor passem.


Energia

De homem a super-homem: com adrenalina, os sentidos ficam mais aguçados.

1. O PERIGO
Ao sentir medo ou se deparar com uma situação de risco, o corpo sofre uma mudança radical. O hipotálamo (responsável por manter o equilíbrio entre o estresse e o relaxamento) é acionado e envia uma mensagem para que o organismo fique alerta.

2. ROLA UMA QUÍMICA
A glândula hipófise recebe a mensagem do hipotálamo e envia, pelo sangue, sinais que ativam as glândulas suprarrenais (acima dos rins), que produzem adrenalina

3. HORMÔNIO DO "FICA ESPERTO"
A adrenalina é responsável por criar um estado de prontidão. Ajuda a pessoa a enfrentar o perigo e o organismo a lidar com o estresse.

4. NO SANGUE
Ao cair no sangue, a adrenalina contrai os vasos sanguíneos. Assim, o sangue corre mais rápido, o que aumenta os batimentos cardíacos e o fluxo de oxigênio no corpo. O cérebro fica mais apto a tomar decisões rápidas e os músculos, mais flexíveis. As pupilas dilatam-se para melhorar a eficiência visual e o fígado chega a produzir mais glicose, gerando mais energia.

Num caso de vida ou morte um sedentário pode correr até 5 km queimando glicose e segurar mais 7 km com gordura.

TANQUE RESERVA

Graças à adrenalina despertada pelo perigo, uma pessoa é capaz de correr mais do que o normal. Assim que acaba nosso combustível comum, a glicose, a adrenalina libera o uso de uma fonte alternativa de energia.

VEÍCULO FLEX

Esse combustível extra é a gordura. Geralmente abundante, quando ela entra em ação, você ganha mais um pique para fugir do perigo - e ainda sai um pouco mais magro do processo.


Amortecedor

O joelho, nossa maior articulação, é capaz de suportar 20 vezes o peso do corpo.

1. DIVISÃO DE TAREFAS
Para aliviar as tensões, os joelhos contam com dois meniscos (o medial e o lateral). São cartilagens responsáveis por controlar o peso, estabilizando a articulação.

2. LIGAÇÕES DESEJOSAS
Os tendões e ligamentos conectam o joelho com músculos e ossos, trazendo a força da perna inteira para aquele ponto.

3. REVESTE E LUBRIFICA
Movimentos intensos no joelho? É um trabalho para a membrana sinovial. Além de revestir o joelho, ela produz um lubrificante que reduz atritos.

4. EMBORRACHADO
O amortecedor fica completo com a cartilagem, cuja principal função é absorver impactos. Sua espessura pode chegar até 0,6 cm.


Fontes: Camila Luisa Sato, fisioterapeuta formada pela Universidade Estadual Paulista (Unesp); Arnaldo José Hernandez, chefe do Grupo de Medicina do Esporte do Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas de São Paulo; Ivan Okamoto, vice-coordenador do departamento de neurologia cognitiva e do envelhecimento da Academia Brasileira de Neurologia. Revista SuperInteressante<http://super.abril.com.br/ciencia/situacoes-risco-nosso-corpo-ganha-superpoderes-619651.shtml?utm_source=redesabril_jovem&utm_medium=facebook&utm_campaign=redesabril_super&>


quinta-feira, 25 de julho de 2013

4ª Conferência Nacional de Meio Ambiente

           


                 Quarta-feira (24/07/2013), aconteceu nas dependências da UDESC em Joinville a 4ª Conferência Nacional de Meio Ambiente - etapa Regional. 




        Nesta ocasião foram debatidos e definidos os temas da conferência, por eixos temáticos:

1.    Produção e Consumo Sustentáveis;
2.    Impactos Ambientais;
3.    Geração de Emprego, Trabalho e Renda;
4.    Educação Ambiental.

            Três segmentos da sociedade estão representados:

Ø  Poder Público;
Ø  Empresariado;
Ø  Sociedade Civil.

            Após os trabalhos no período da manhã, na parte da tarde houve a eleição dos Delegados e suplentes para a etapa estadual que acontecerá em Florianópolis nos dias 5 e 6 de setembro de 2013.

            Barra Velha esteve representada pela Maria Luiza(Malu) da Fundema, Elton Cunha (Defesa Defesa Civil Barra Velha), Marcos Junghans (ONG Viagem Família) e Marianne Kollarz Junghans (ONG Viagem Família).


            Marcos Junghans foi eleito como Delegado no segmento da Sociedade Civil e representará Barra Velha nas próximas etapas desta Conferência.





Fonte e fotos: Marcos Junghans

sexta-feira, 19 de julho de 2013

19 de agosto Dia Mundial Humanitário

            19 de agosto foi designado Dia Mundial Humanitário pela Assembleia Geral das Nações Unidas, em sua sessão plenária de 11 de dezembro de 2008, para homenagear todos os trabalhadores humanitários e funcionários das Nações Unidas que perderam suas vidas no cumprimento de suas missões e trabalhando na promoção da causa humanitária, apoiando as vítimas de conflitos armados. Na mesma ocasião foi aprovada a proposta da Suécia sobre "Fortalecimento da Coordenação da Assistência Humanitária de Emergência das Nações Unidas".


            A resolução convida todos os Estados-Membros - o sistema das Nações Unidas - dentro dos recursos existentes, bem como outras organizações internacionais e organizações não-governamentais, a observar anualmente esse dia, que também é o Dia da Memória dos Trabalhadores Humanitários, foram mortos no exercício do seu trabalho.


           19 de agosto corresponde ao dia em que o Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Sérgio Vieira de Mello (foto ao lado), designado como representante especial do Secretário Geral das Nações Unidas para o Iraque, além de outros 21 funcionários e colaboradores da ONU em Baghdad morreram tragicamente, durante o cumprimento de missão de paz, em 2003.

            O OCHA, Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários lidera o planejamento e orientação das celebrações do Dia Mundial Humanitário pelos governos, pelas Nações Unidas, pelas organizações humanitárias internacionais e ONGs de todo o mundo.


          O Dia Mundial Humanitário foi comemorada pela primeira vez em 19 de agosto de 2009, no ano 2012 a cantora americana Beyoncé Knowles foi nomeada embaixadora da causa, Beyoncé doou sua música I Was Here do seu 4º álbum de estúdio o 4 para o projeto que ganhou o nome de I WAS HERE. Em 19 de agosto de 2012 Beyoncé gravou um vídeo clipe ao vivo na sede da ONU em Nova York .





Site da Fundação Sérgio Vieira de Melo: <http://www.sergiovdmfoundation.org/wcms/>







Fonte: Wikipédia.

Informação pública nº 404

Barra Velha, 19 de julho de 2013



Estudo da composição do lixo produzido na região da AMVALI está sendo realizado


Todo o lixo produzido nos sete municípios da região da AMVALI (Barra Velha, Corupá, Guaramirim, Jaraguá do Sul, Massaranduba, São João do Itaperiú e Schroeder) está sendo levantado e analisado pelos engenheiros sanitaristas e analistas ambientais da Escola e Gestão Pública Municipal – EGEM com o apoio da Associação de Municípios. O levantamento iniciou na segunda-feira (15) e termina nesta sexta-feira (19) com o estudo da composição gravimétrica dos resíduos.


O estudo consiste no acompanhamento do transbordo dos resíduos, ou seja, antes de serem encaminhados ao aterro sanitário. Nesta etapa, o lixo é separado por amostragem conforme o tipo de material: orgânico, rejeito e reciclável – papel/papelão, plástico, metal e vidro. Após a divisão o material é pesado para a avaliação da proporção de resíduos por tipo. O estudo gravimétrico faz parte do diagnóstico referente a gestão de resíduos que integra a primeira etapa do Plano Intermunicipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos – PIGIRS para estes municípios.


“Com o estudo gravimétrico pronto é possível avaliar a oportunidade e conveniência de se implantar a coleta seletiva no município, estimular centrais de triagem para a reciclagem e a compostagem de material orgânico”, explica a analista ambiental da EGEM, Sara Meireles. “Isso é importante porque de acordo com a Lei 12.305/2010, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, até 2014 os municípios só podem destinar aos aterros o que for rejeito, o restante precisa ser reaproveitado”, finaliza.


Além disso, quanto mais lixo, maior o custo das prefeituras para transportá-lo e destiná-lo ao aterro. Nessa balança entra ainda a falta de espaço nos aterros sanitários e o esgotamento dos recursos naturais.


O grupo já passou pela análise dos resíduos gerados pelos municípios de Massaranduba, Barra Velha e São João do Itaperiú. Nesta quinta (18) e sexta-feira (19) o estudo continua com a análise dos resíduos de Jaraguá do Sul, Corupá, Schroeder e Guaramirim.

PIGIRS - O Plano é composto essencialmente do diagnóstico, prognóstico e planejamento dos componentes que integram o gerenciamento de resíduos sólidos, em sua geração, segregação, coleta, acondicionamento, transporte e forma de tratamento e disposição final, com o intuito de preservar o meio ambiente e assegurar a qualidade da saúde pública. Para isto, o plano busca a não geração dos resíduos, reutilização e reciclagem, como forma de alcançar a excelência em sua gestão/gerenciamento.

A elaboração do plano inicia com a descrição do sistema atual de gestão e gerenciamento de resíduos sólidos nos municípios da AMVALI e no prognóstico serão feitas projeções de quantidade de resíduos e rejeitos gerados. Já na fase de planejamento, será realizado o estudo técnico- econômico das possibilidades de regionalização da disposição final de resíduos sólidos e a proposição de arranjos intermunicipais.

Leticia Póvoas 
Assessora de Comunicação
Federação Catarinense de Municípios - FECAM
www.fecam.org.br
imprensa1@fecam.org.br
(048) 3221 8800

-- 
Assessoria de Comunicação 

quarta-feira, 17 de julho de 2013

Defesa Civil, Sec. Obras e Vereador de Barra Velha na ALESC

          Estiveram na Assembléia Legislativa do Estado de Santa Catarina - ALESC em Florianópolis nesta terça-feira 16/07 o Secretário de Obras Carlos Alberto da Silva “Tinho” acompanhado do Vereador Marciel Berlim e do Coordenador da Defesa Civil Elton Cunha, realizando visita ao Gabinete do Deputado Ismael do Santos e também a sede da Defesa Civil Estadual para tratar e liberação de recursos para o município de Barra Velha.

17 de julho, Dia da Proteção das Florestas: Um marco para conservação do meio ambiente

Hoje é dia de conscientização: 76% das ‎florestas‬ primárias do mundo já foram devastadas. É preciso preservar e ‎pensar verde‬  >> http://bit.ly/18noKJA



Vamos ajudar a Defesa Civil na prevenção.

A atitude de jogar lixo nos rios e nas ruas, é o grande causador das enchentes e alagamentos.


terça-feira, 16 de julho de 2013

Barra Velha recebe Cartão Nacional de Defesa Civil

           Aconteceu agora a tarde nas dependências da Câmara Municipal em Barra Velha, a palestra elucidativa sobre a adesão da cidade de Barra Velha ao sistema nacional de fundos do Ministério da Integração Nacional, através de um cartão bancário corporativo vinculado ao sistema de Defesa Civil.




            A nossa cidade conta assim com um sistema agilizado na gestão financeira em casos de emergências e desastres atendido pela Defesa Civil Barra Velha. Estiveram presentes ao evento o Prefeito Municipal Claudemir Matias Francisco Francisco, o Coordenador da Defesa Civil o Sr. Elton Cunha, o Coordenador Regional da Defesa Civil o Sr. Antônio Edival Pereira e o Gerente do Banco do Brasil, Sr. Rogério Soranzo.


            Prestigiando também, diversos Secretários Municipais, vereadores e entidade da Sociedade Civil.


            Parabéns a cidade por esse importante instrumento que vai agilizar o aporte de recursos em casos de desastres e emergências.



Fonte: Marcos Junghans

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Catástrofes naturais geraram US$ 45 bi de danos no primeiro semestre

Informação é da empresa alemã de resseguros Munich Re.


Enchentes na Alemanha e na Europa Central foram incidente mais caro.


           Os danos provocados pelas catástrofes naturais no primeiro semestre do ano alcançaram US$ 45 bilhões, pouco mais da metade dos US$ 85 bilhões registrados nos últimos 10 anos, anunciou a empresa de resseguros alemã Munich Re.

            Do total, os custos que as seguradoras foram obrigadas a assumir no período alcançaram US$ 13 bilhões, contra US$ 22 bilhões registrados no mesmo período na última década.

                  As inundações na Alemanha e em vários países da Europa Central em maio-junho foram a pior catástrofe natural registrada no primeiro semestre do ponto de vista financeiro, com danos de US$ 16 bilhões, dos quais pelo menos US$ 3,9 bilhões estavam cobertos por seguros.

              Os tornados que afetaram o estado Oklahoma, Estados Unidos, em maio provocaram danos de US$ 3 bilhões.

            No total, 460 catástrofes naturais foram registradas nos seis primeiros meses do ano, acima da média registrada no período na última década (390).


Alemão levou amigo nas costas para enfrentar ruas alagas na cidade de Bernburg (Foto: Tobias Schwarz/Reuters)
Alemão levou amigo nas costas para enfrentar ruas alagas na cidade de Bernburg (Foto: Tobias Schwarz/Reuters)




FONTE:<http://g1.globo.com/natureza/noticia/2013/07/catastrofes-naturais-geraram-us-45-bi-de-danos-no-primeiro-semestre.html>

Barra Velha na Pré-Conferência Regional de Meio-Ambiente


            Estiveram na última quinta-feira (11/07/2013) no município de Guaramirim participando da Conferência Regional do Meio Ambiente - Resíduos Sólidos (Região Hidrográfica 06), Elton Cunha Coordenador de Defesa Civil, Maria Luiza “Malu” da FUNDEMA e Marcos Junghans, diretor da ONG Viagem Família.






                                 Na programação do evento tiveram os seguintes tópicos:

Ø  Palestra: Plano Intermunicipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos;
Ø  Grupos de trabalho por eixo temático;

Ø  Leituras das ações e eleição dos delegados, por município para participação na próxima conferência estadual.





quarta-feira, 10 de julho de 2013

Aprenda de uma vez por todas a estabelecer metas




Fonte: Exame.com

CONVITE

Informação pública nº 381

Barra Velha, 09 de julho de 2013


CONVITE

A COMDEC - Coordenadoria Municipal de Defesa Civil convida a população de Barra Velha a participar da solenidade de entrega e palestra proferida pelo Banco do Brasil referente ao “CARTÃO DE PAGAMENTO DA DEFESA CIVIL”.


O evento acontecerá na Câmara de Vereadores no dia 15 de julho de 2013, segunda-feira as 15h00min.

A COMDEC - Coordenadoria Municipal de Defesa Civil de Barra Velha conta com vossa presença.

Elton Cesar Cunha                           
Coordenador de Defesa Civil
www.barravelha.sc.gov.br
E-mail: defesacivil@barravelha.sc.gov.br
Anexo Corpo de Bombeiros Militar


quarta-feira, 3 de julho de 2013

Defesa Civil de Barra Velha realizou fiscalização de Produtos Perigosos hoje (03/07/2013) na BR 101

A Defesa Civil de Barra Velha realizou fiscalização de Produtos Perigosos hoje (03/07/2013) na BR 101 no posto da PRF em ação conjunta com a Defesa Civil do Estado de Santa Catarina, FATMA, Vigilância Sanitária Estadual, Polícia Militar Ambiental, Corpo de Bombeiros Militar, Polícia Rodoviária Federal.

Esta ação tem como objetivo inibir irregularidades no transporte de produtos químicos por caminhões que possam ocasionar acidente e desastres socioambientais.









Defesa Civil de Barra Velha e Técnicos da AMVALI realizaram levantamento em Barra Velha

Levantamento auxiliará na elaboração de plano regional de prevenção de cheias



            A Defesa Civil de Barra Velha e demais secretarias municipais junto com os consultores do Colegiado de Defesa Civil da AMVALI, Paulo de Almeida e Normando Zitta estiveram no município na tarde da última sexta-feira (28/06), para dar início aos trabalhos de campo para levantamento de informações de elaboração do Plano Regional de Prevenção de Cheias na Bacia Hidrográfica do Rio Itapocu.

Imagem 01: Prefeito Matias e demais secretários ouvindo palestra do projeto do Plano Regional de Prevenção de Cheias



            O trabalho é uma iniciativa do Colegiado de Defesa Civil da AMVALI em conjunto com a Câmara Técnica de Prevenção de Riscos Hidrológicos do Comitê do Rio Itapocu. O objetivo é criar um documento regional envolvendo os sete municípios da AMVALI mapeando as áreas alagáveis, fazendo um diagnóstico dos principais problemas e trazendo recomendações de medidas que podem ser adotadas para minimizar e mitigar desastres relacionados a cheias.

Imagem 02: Elton Cunha (Defesa Civil), Paulo de Almeida(Amvali), Guilherme Cani( Seplan)


Imagem 03: Normando Zitta (Amvali), Marcelo Koche( Diretor Gabinete), Guilherme Cani (seplan)